Textura Musical
Textura é um elemento fundamental da percepção e fruição musical, indiferentemente de estilo.

Antes de textura musical, é preciso entender o que é parte.

PARTE

a) Uma ou mais linhas musicais lidas por um intérprete, ou um grupo de intérpretes, quando da execução de uma obra musical; também a própria música, daí expressões como “a parte do piano”, “a parte do soprano”.

b) Na música polifônica, uma das linhas musicais independentes que contribuem para um ou mais elementos da música, por exemplo, um contraponto ou uma harmonia em duas partes, ou a duas vozes (às vezes, nesse contexto, prefere-se o termo “voz” e a preposição “a”).

c) A divisão básica de certas obras em grande escala (especialmente oratórios), equivalem a um “ato” nas obras teatrais. Na morfologia musical, uma das seções de uma obra, pela qual sua forma se define, por exemplo, a forma canção em três partes.

TEXTURA MUSICAL

a) É a qualidade global do som de uma obra musical, mais frequentemente definida pelo número de vozes na música e na relação entre essas vozes.

b) É a forma como o tecido sonoro se entrelaça, através da combinação entre as diversas partes que soam simultaneamente, gerando a sonoridade de um segmento musical.

Adicionalmente, a textura de uma peça pode ser descrita por termos tais como pesado e leve, ríspido ou suave. Por exemplo, fala-se que as obras mais populares de Aaron Copland como tendo uma textura aberta.

A textura percebida de uma obra pode ser afetada pelo caráter e o número das partes que são executadas em conjunto, o timbre dos instrumentos ou vozes executando essas partes e a harmonia, o andamento e o ritmo utilizados.

TIPOS DE TEXTURAS


Termos de caráter extremamente redutivos foram e ainda são aplicados em análise de música onde os aspectos harmônicos e contrapontísticos tradicionais prevalecem. Contudo, são muito pouco eficientes para a análise de música pós-tonal, ou seja, de Debussy em diante (com exceção, é claro, de música moderna ou contemporânea composta segundo os parâmetros clássico-românticos).

Os termos utilizados para determinar o tipo de textura de uma peça musical são: monofônica (monódica), polifônica, homofônica e heterofônica.

1) Monofonia

Textura musical constituída por somente uma parte.

Exemplo - 1 (Flaviandekson)


Exemplo - 2 (monofonia)

Exemplo - 3 (monodia)

2) Polifonia
É a superposição de diversas partes independentes entre si.

Exemplo - 1 (contraponto)


Exemplo - 2 (contraponto)

Exemplo - 3

3-a) Homofonia

Resultado da superposição de partes interdependentes que formam um todo coeso e homogêneo.

Exemplo 1 - (Flaviandekson)


Exemplo 2 - Tu És Fiel, Senhor. HCC 25


Exemplo - 3

3-b) Melodia Acompanhada
É um tipo de homofonia em que uma parte se destaca do acompanhamento.

Exemplo - 1

Exemplo - 2

Exemplo - 3


4) Heterofonia
a)
Palavra usada para descrever variações simultâneas de uma única melodia. Seu significado pode ir desde a referência a ínfimas discrepâncias na execução em uníssono, até uma escrita contrapontística complexa. Aplica-se a boa parte da música vocal acompanhada do Oriente Próximo e do Extremo Oriente, onde um instrumento fornece uma versão ornamentada de uma parte vocal. (SADIE, 1994)

b) É um tipo muito especial de polifonia, onde todas as partes articulam linhas estruturadas a partir do mesmo material rítmico-melódico.


Para se aprofundar no tema, leia: Textura Musical - Forma e Metáfora

REFERÊNCIA
SADIE, S. Dicionário Grove de Música. Tradução de Eduardo Francisco Alves. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.
Copyright © 2010 Asas da Alva Publicidade e Consultoria Pedagógica LTDA - Webmaster : Flaviandekson P. Teixeira